segunda-feira, 15 de abril de 2013

Os crimes pós 2ª Guerra

Vivemos um momento maravilhoso onde a tecnologia nos permite acesso a várias informações de forma instantânea…

São tantas informações que nos são disponibilizadas que – na grande maioria das vezes – agimos como se estivéssemos diante da televisão. Apenas consumimos a informação como verdadeira e a instalamos em nossa memória para ser acessada, usada, transmitida, etc. a todo instante e com nosso aval sobre sua autenticidade.

Estamos vivendo num momento paradoxal. Enquanto nos disponibilizam fantásticas tecnologias também nos entopem de conhecimento inútil e, principalmente, MEDO.

Passamos a ter medo de não sermos felizes. Como se o medo pudesse nos ajudar nesse sentido…

Só que, dentro de nosso ‘adestramento’ aprendemos a ‘confiar’ em tudo que é informado na tela da televisão. E lá que ouvimos existirem medicamentos maravilhosos, que podem ser receitados pelos renomados e confiáveis médicos, que fazem uma conversa breve (que eu chamo ‘prá boi dormir’) e já vão pegando o receituário para lhe recomendar a última novidade da ‘ciência médica’ para ‘o seu caso’.

Sim! O médico sempre estará diante de um doente a ser tratado com os remédios que estão em sua listinha pessoal. De nada adianta você afirmar que quer uma avaliação mais precisa sobre o que você está sentindo.

Ele encerra a conversa com frases do tipo: “O risco é todo seu. Afinal o médico aqui sou eu que estudei… blá-blá-blá…”

O que resta à pessoa, que até entrar no consultório julgava-se, no máximo, um paciente e, de repente, foi levada à categoria de ‘doente’? Desobedecer ao médico, que tem tanta ‘autoridade’?

Humilde as pessoas acatam e empenham boa parte de seus salários na compra daquela droga que terá de ingerir por um bom tempo, aprendendo a superar todos os seus efeitos colaterais.

Infelizmente é mais um que está dominado…

Vejam este vídeo. É um alerta a todos…

Conheça e repasse aos seus amigos. Esclareça, sempre, tratar-se de opinião de outras pessoas e, por isso, sempre é recomendável que a pessoa comece a PENSAR e faça as reflexões e ligações necessárias para saber o quê lhe faz BEM e o quê lhe faz MAL…

Pense…