terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Entendendo a origem da Crise

Abaixo inseri um vídeo contendo uma entrevista com as razões que originaram a crise e seu possível desdobramento. Olho vivo pessoal.

Estendendo a Crise Financeira até a remota Islândia

Este é um comentário baseado em informações recebidas sobre a situação na Islândia.
Claro que, por estar situada num local remoto e ter uma economia pouco significativa, não há muitos comentários sobre esse país nos noticiários brasileiros.
Uma breve história, colhida do artigo A Grande Ilusão, de João M. Salles, publicada na Revistao Piauí de Janeiro. Só para dar água na boca apresento o trecho inicial do importante artigo denúncia:
Um relatório da Organização das Nações Unidas publicado em outubro de 2007 afirmava que a Islândia, segundo todos os indicadores sociais, havia superado a Noruega e era agora o melhor país do mundo para se viver. Exatamente um ano depois, em 6 de outubro passado, boa parte dos 320 mil islandeses parou para ver o primeiro-ministro Geir Haarde se dirigir à nação. Era o meio da tarde, um horário fora do comum — os canais abertos islandeses começam a transmitir às 18 horas. Ainda assim, lá estava ele, severo, atrás de uma mesa tão sombria quanto seu semblante, tendo ao fundo a bandeira do país. Haarde falou por onze minutos. Ao concluir, disse: Compatriotas, se jamais houve um momento em que a nação islandesa precisou demonstrar coesão e estoicismo na adversidade, este momento é chegado. Frente à tempestade que se inicia, exorto as famílias a conversarem entre si, a não se deixarem dominar pelo desespero, ainda que para muitos as perspectivas sejam sombrias. Precisamos explicar aos nossos filhos que o mundo não está à beira do apocalipse e que temos de arrancar, do fundo de nós mesmos, a coragem para enfrentar o futuro. Que Deus abençoe a Islândia. Quarenta e oito horas depois, o primeiro-ministro inglês Gordon Brown -invocou uma lei promulgada depois do 11 de Setembro e incluiu a Islândia na lista de países e organizações terroristas. O Banco Central, o Ministério das Finanças e os dois maiores bancos islandeses se juntavam à Al-Qaeda e ao Talibã. Os ativos dessas instituições no Reino Unido foram sumariamente congelados. No final de novembro, na sua acanhada sala de trabalho, em Reykjavík, Árni Mathiesen, o ministro das Finanças, balançou a cabeça e, ainda aturdido, disse: “A reação dos ingleses foi a pá de cal. Eles não precisavam fazer aquilo. Não consigo entender como alguém usa uma lei antiterrorista contra um país como o nosso. Nos pôr nessa lista…” Era o fim de um processo que levara a serena ilha do Atlântico Norte — que não possui exército e cuja polícia não anda armada — ao mais grave colapso de um país em tempos de paz. Em sete dias a Islândia se tornou a maior baixa da crise econômica mundial. Não se tratava de uma instituição financeira nem de um setor da indústria, mas de uma nação na bancarrota. Os islandeses ainda buscam a metáfora justa: um furacão, um tiro, um caminhão que os atingiu por trás. E, se o processo que os derrubou não foi necessariamente o mesmo que levou o sistema financeiro internacional à lona, o trajeto da Islândia nos últimos dez anos talvez venha a ser visto pelos historiadores como exemplo das oportunidades, excessos, vulgaridades e riscos dos tempos em que as regras foram rasgadas para que o dinheiro pudesse gerar dinheiro. Em 1936, o jovem poeta inglês W.H. Auden propôs à editora Faber escrever um livro sobre a Islân-dia. Ao chegar ao porto de Reykjavík, ele registrou: “Minha primeira impressão é de uma cidade luterana, banal e remota.” A sensação associada ao país foi sempre a de isolamento. Quando os vikings chegaram, em 874, não encontraram quase nada. Trouxeram então suas mulheres celtas raptadas às ilhas britânicas e coloni-zaram a ilha. Trataram as florestas que cobriam um quarto das terras como os mineiros tratam suas minas, sem se dar conta de que eram frágeis e não se regenerariam. Em menos de sessenta anos a Islândia se transformou num deserto produzido por homens e ovelhas. O fluxo migratório cessaria em 930, quando o crescimento da população já não era suportável. A maior parte dos islandeses vivos descende diretamente desses primeiros homens e mulheres que aportaram no país há mais de mil anos – e o destruíram. O desastre ambiental foi o grande responsável pela pobreza até meados do século passado. Halldór Laxness, Prêmio Nobel de Literatura em 1955, fala de personagens que têm vontade de tomar leite e não podem, que sonham em comer carne e não a encontram. Mesmerizadas, as crianças vêem as mães prepararem a primeira refeição do dia, torcendo para que ao pão seco venha se juntar uma pincelada de gordura e fígado de bacalhau. Até um passado recente, a vida do islandês podia ser descrita como uma batalha pelo mínimo necessário à sobrevivência: um peixe, um pedaço de carne, um abrigo contra o frio. O isolamento e as adversidades — fome, frio, vulcões, terremotos, pestes — geraram um povo obstinado e independente. O país passou às mãos da Noruega em 1262 e da Dinamarca em 1380. A autonomia veio há 90 anos, e a independência, apenas em 1944. Durante todas essas etapas, o controle externo da ilha se resumiu a formalidades. Ela sempre foi deixada à própria sorte. Sem fortalezas, castelos e catedrais, nada na Islândia evoca a grande história européia; o trabalho do homem é atestado antes de tudo pelo que não está mais lá: as árvores que não existem, a paisagem lunar restante. Uma nação feita de fogo, gelo, água e vento. No verão de 1936, Auden não se deixou atrair apenas pela aventura do isolamento. Queria também conhecer o país das sagas. Ao lado de gêiser, saga é a palavra que os islandeses deram ao mundo. Significa “história”, ou “o que se diz”. São narrativas compiladas nos séculos XII e XIII que formam uma das grandes épicas da literatura universal. Morte, amor, vingança, corrupção. Junto com as Eddas – textos em verso e prosa que narram os mitos nórdicos –, são o patrimônio imaterial da Islândia, as catedrais que não se vêem. Os islandeses sabem que pertencem a uma nação porque, além do gelo e do oceano, eles têm as sagas. Durante muito tempo, foi o que bastou. Ao cabo da Segunda Guerra a Islândia era um dos países mais pobres da Europa. Seus três grandes bens — a energia geotérmica, os peixes e as sagas — eram coletivos. Todos podiam se aquecer e -pescar, e todos podiam acompanhar, no original, o drama da formação nacional. Prevalecia a noção de bem comum, até hoje um dos esteios da identidade islandesa. Auden escreveu em 1936: eles formam “a única sociedade realmente sem classes que já encontrei, e não se tornaram vulgares — pelo menos, não ainda”. Num verso, acrescentou: “Ilhas são lugares à parte de onde a Europa está ausente.”
Em meados da década de 90, um novo governo decidiu que chegara a hora de trazer a Europa para perto. O povo — ou grande parte dele — concordou.
“Quando eu estava na escola, no final dos anos 90, havia uma sensação de que estávamos condenados a ser um país acanhado, sem perspectivas”, contou Jón Steinsson em sua sala na Universidade Columbia, em Nova York, onde leciona na Faculdade de Economia. Steinsson formou-se em Princeton e Harvard e, com menos de 30 anos e rosto de adolescente (lembra o Pimentinha), é uma das estrelas ascendentes no campo da macroeconomia. Trabalhou no Banco Central da Islândia no início da década, e em outubro passado, nos dias mais negros da crise, foi chamado às pressas para assessorar o primeiro-ministro. “O que muita gente chama hoje de ‘ambição desmedida’”, disse, “foi um processo mais complexo de afirmação nacional e de criação de oportunidades.” Até o início dos anos 90, os islandeses nasciam e morriam num país que pouco se transformava. Os empregos se concentravam na indústria pesqueira, que respondia por 50% das exportações. O então prefeito de Reykjavík intuiu que havia a possibilidade de mudar as coisas. Chamava-se Davíd Oddsson, usava um topete arquitetônico, era ambicioso e popular. Na juventude, fora cômico e ator. Tornou-se conhecido por interpretar o Ubu Rei, na peça homônima de Alfred Jarry, o criador da Patafísica, a ciência das soluções imaginárias. Seus dez anos na prefeitura, de 1982 a 1991, coincidiram com os governos de Margaret Thatcher e Ronald Reagan, atentamente observados. Convidou economistas liberais como Milton Friedman e Friedrich Hayek a visitar sua cidade e deles ouviu propostas para desengessar o modelo islandês, no qual o Estado ocupava quase todo o espaço. Em 1991, Oddsson foi eleito primeiro-ministro. Exerceria o cargo até 2004 – o mais longevo premiê da Islândia. Estava a caminho de se transformar no político mais poderoso — e mais radical — da história do país. Começou por privatizar a empresa municipal de pesca e, ano a ano, puxou à frente a agenda de liberalização do país. Aboliu o imposto sobre a riqueza, reduziu drasticamente os impostos sobre pessoa física e jurídica e fez o mesmo com o imposto sobre heranças. A economia respondeu. A renda média das famílias cresceu 17%. Em 2003, Oddsson deu o passo crucial. Privatizou e consolidou o sistema bancário, que passou a ser dominado por três grandes bancos: Kaupthing, Landsbanki e Glitnir. Jón Steinsson comenta que pela primeira vez os islandeses tiveram acesso a crédito. “Podíamos abrir uma empresa ou expandir um negócio. Ganhamos uma autoconfiança que não tínhamos: ‘Vamos ser o país dos empreendedores!’” Por essa época, uma palavra entrou no léxico do país: útrás. É formada por út (para fora) e rás (corrida). A palavra é meio agressiva”, explica Ísleifur Thórhallsson, ou Ísi, um jovem produtor musical. “Significa uma invasão ao contrário, uma ex-vasão, ir para fora e se apropriar de coisas, pilhar. Nos anos loucos, tudo girava em torno de útrás”, ele diz, com um sorriso não propriamente alegre."
Se quiser conhecer um pouco mais visite o site da Revista Piauí (http://revistapiaui.com.br/) ou conheça o Blog: Vida na Islândia
(http://www.vidanaislandia.com/)

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Dinheiro na mão é vendaval... é vendaval...

Na imagem abaixo há linhas que não existem; são criadas em nossas mentes. Temos essa característica. As vezes vemos o que não existe e, quase sempre, não conseguimos enxergar o que há de REAL...
Você se lembra... Foi o Grande Paulinho da Viola, quem compôs a música que tinha parte de sua letra, conforme abaixo:
Dinheiro na mão é vendaval É vendaval Na vida de um sonhador De um sonhador Quanta gente aí se engana E cai da cama com toda ilusão que sonhou E a grandeza se desfaz Quando a solidão é mais Alguém já falou Mas é preciso viver E viver não é brincadeira não Quando o jeito é se virar Cada um trata de si Irmão desconhece irmão E aí dinheiro na mão é vendaval Dinheiro na mão é solução E solidão
A manchete do Valor Econômico apresenta a notícia: "BNDES terá R$ 100 bi do Tesouro" me deixou pasmo... Vejam só... De uma hora para outra é feito um "aporte" do Governo ao BNDES para que ele atenda a necessidade de recursos financeiros para a continuidade das atividades das empresas.
Brilhante! É uma forma muito objetiva para que não haja descontinuidade no desenvolvimento da economia do país.
Será que a coisa funciona, realmente assim? Aparentemente os recursos serão destinados às empresas que não necessitam, tanto assim, desse tipo de alavancagem; a tendência é que as empresas que realmente buscam crédito fiquem forma dos critérios de escolha do BNDES.
Por falar nisso... será que alguém já conseguiu saber quais serão os critérios estabelecidos? Parece que a coisa será decidida de acordo com a política da conveniência... coisa de país democrático e coisa e tal...
Outra questão que me parece importante e muito oportuna, é a forma pela qual o BNDES e outros bancos que venham a emprestar dinheiro às empresas, farão a análise do credor. Com tantas mudanças na forma de elaboração e apresentação das Demonstrações Financeiras (perderam a denominação de Demonstrações Contábeis) será que os departamentos de análise e crédito estão preparados para encontrar a forma certa para avaliar as empresas...
Tenho muitas dúvidas... As empresas de um modo geral e os próprios auditores, responsáveis pela certificação das demonstrações das empresas estão muito cautelosos, já que há muitas dúvidas que sequer foram, ainda, identificadas.
E aí BNDES? E aí Bancos Comerciais e de Investimento? Vocês já tem essa questão equacionada? Ou será que os créditos que forme dados a entidades sem nenhuma condição de prosperidade e liquidação de seus compromissos serão, novamente, cobrados da sociedade num novo PROER?
Olho Vivo, gente!!!
Onde estão as linhas (especialmente as linhas de crédito) verdadeiras? Será que só conseguimos falar das que não existem?

sábado, 17 de janeiro de 2009

Mizaru, Kikazaru e Iwazaru

Um não enxerga o mal! Outro não escuta o mal! O último não fala o mal!

São os três macacos sábios, esculpidos no Templo Xintoísta, na cidade de Nikko, no Japão. As esculturas são do Séc. XVII.

Aparentemente eles são muito atuais ainda hoje, especialmente na disputa dos poderes e decisões democráticas (seja lá o que isso possa significar).

É por isso que vemos a cultura popular completamente desestruturada; ou melhor: estruturada em uma forma única, como nos ensina o vídeo abaixo:

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Um País Diferente

Você acredita que sejamos um País diferente dos outros?

Onde você vê as nossas diferenças mais relevantes?

Seria capaz de listar aquelas em que somos melhores?

E onde perdemos feio para os demais países? Você saberia listar nossas diferenças.

Hoje li alguns e-mails e tomei conhecimento de algumas notícias (infelizmente vieram sem fonte e não tive tempo, ainda de checá-las. Assim que fizer a checagem alterarei e me desculparei, se houver inverdades) que me assustaram, e muito. Veja algumas das manchetes que eu li:

 

·         Brasil vai ceder helicópteros militares à Bolívia - O governo Lula vai ceder quatro helicópteros militares à Bolívia para reforçar as ações de fiscalização e combate ao narcotráfico na fronteira. Segundo o Ministério da Defesa, as aeronaves, usadas, serão submetidas à revisão e entregues sem custo ao governo boliviano, que se encarregará da manutenção dos aparelhos

·         Supremo garante a dez deputados estaduais alagoanos o retorno ao mandato - O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, decidiu nesta quinta-feira suspender uma decisão monocrática do desembargador Antônio Sapucaia da Silva, do Tribunal de Justiça daquele estado, para reconduzir ao exercício de seus mandatos dez deputados estaduais de Alagoas, afastados desde março do ano passado.

·         Lula diz que Itália tem de respeitar decisão brasileira de conceder refúgio a Battisti - O presidente Lula disse nesta quinta-feira que a Itália tem de respeitar a decisão soberana do Ministério da Justiça de conceder refúgio ao terrorista italiano Cesare Battisti, ex-militante comunista condenado à prisão perpétua pelo assassinato de quatro pessoas na década de 70.

·         Marcos Valério deixa penitenciária de Tremembé - O empresário Marcos Valério Fernandes de Souza deixou, às 18h10 desta quinta-feira, a Penitenciária Dr. José Augusto Salgado (P-2 de Tremembé), no interior de São Paulo, onde estava preso desde outubro do ano passado.

 

Se somos um país fica provado, pelos temas acima, que falta muito para adquirirmos o conceito de Nação.

Não se trata – apenas – de adotarmos atitude contra ou a favor de agremiações partidárias. Trata-se, apenas, de começarmos a buscar as mudanças que desejamos para o País que queremos ter.

 

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Considerações sobre Transparência

            Já estamos nos acostumando a conviver com termos como: “boas práticas”, “fair trade” e “accountability”, como parte deste momento onde novas normas são estabelecidas para a elaboração e apresentação das Demonstrações Financeiras, buscando conformidade com normas internacionais.
A qualidade da informação a ser prestada pelas Empresas é uma nova e constante exigência do mercado. Certamente comporá a relação das barreiras não tarifárias dos importadores e/ou compradores de produtos, bens e serviços, cada vez mais exigentes. Aumentando, como conseqüência, os riscos regulatórios, como citava o Site Empreendedor (www.empreendedor.com.br) no artigo: “Os 10 Principais Riscos para os Negócios em 2008”.
É interessante observar que não há surpresas quando lemos com atenção os indicadores sobre o que nos reserva o futuro. Também não há surpresas quando temos os instrumentos adequados e uma estrutura para Gerenciamento de Riscos, quer de natureza interna ou externa. Especialmente quando há transparência na informação. Portanto, para que tudo funcione bem, é necessário que a organização possua também, boas práticas para a transparência. E é aqui que grande parte dos gestores ainda peca...
Não há mais espaço para análises complexas que nada informam. É irrelevante a contribuição de quadros comparativos que demonstram, por exemplo: “Vendas por Região ou Segmento”; “Gastos por Departamento”; etc. É preciso que a informação seja acompanhada de dados que revelem qual o objetivo alcançado ou benefício gerado. Não dá mais para esconder fatos com meros demonstrativos sem objetivo (ou, o que seria pior, com a intenção de lograr o leitor). É como diz o ditado: “Pior que uma mentira inteira, somente uma meia-verdade
As agendas ocultas estão – pouco a pouco – sendo apresentadas. É o momento de revelar-se também o novo profissional que, além da competência em elaborar dados para a contabilidade terá a responsabilidade de criar apresentações simples e claras a todos os usuários das informações contábeis.
Afinal de contas, há uma questão inquietante a ser respondida: “O que é Transparência?”
Podemos listar as seguintes qualidades sobre transparência: legitimidade; simplicidade; originalidade; revelar o que é essencial; etc.
Os sites governamentais que tratam da transparência pública entendem que ela é a “construção da relação entre o Estado e a Sociedade, mediante prática de prestação de contas”. Alguns órgãos chegam a criar leis e/ou normas para que “haja maior transparência”.
Empresas também criam novos controles e regras complexas, tendo como objetivo “serem mais transparentes”... Como se fosse possível graduá-la.
Ainda que a palavra transparência nos remeta a uma das características do vidro revelando vários graus de nitidez; há dois tipos apenas quanto à transparência da informação: Ela Existe ou Não.
O que se observa, infelizmente, é o receio de alguns empresários em apresentarem os principais fatos ocorridos na gestão de seu negócio. Há medo de dar informações demasiada aos concorrentes e com isso, acabam divulgando uma “meia verdade”. Os leitores acabam compreendendo de forma equivocada aquilo que está sendo revelado ou, o que é pior, imaginam algo oposto ao que deveria ser entendido.
A melhor política para o exercício da transparência é a simplicidade. Quanto mais simples for a informação mais facilmente ela será compreendida, eliminado interpretações equivocadas ou falsas. A simplicidade na comunicação é o segredo!
Os Contadores com formação nas áreas de Auditoria e Controladoria são mais habilitados a preparar, junto com um profissional de Comunicação, a forma e o conteúdo dos dados a serem divulgados aos usuários da informação contábil.


                As boas práticas estão aí para comprovar essa nova situação. A transparência e a ética são os vetores desses novos tempos.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Alternância de Poder. Até quando teremos desrespeito com a Coisa Pública?

Em nossa empresa, quando substituímos algum fornecedor de serviços, escolhido de acordo com os critérios formais estabelecidos, é porque buscamos a continuidade e o seguimento de boas práticas.
Acreditamos que as informações vitais que foram do conhecimento do nosso antigo prestador de serviços serão repassadas, normal e formalmente, ao novo prestador de serviços.
Ao menos é assim que funciona nos serviços de Auditoria Independente!
É uma prática usual do mercado, entre empresas de Auditoria, o repasse de informações importantes sobre a empresa auditada. Que pena que isso não ocorre em todas as áreas e atividades!!! Fiquei surpreendido, novamente, com as notícias divulgadas neste início de ano, após a posse de novos prefeitos. Há relatos espantosos, apresentando fatos criminosos, tais como: Prefeitura com Luz, Água e Telefone, cortados por falta de pagamento; Programas de Computador deletados; Coleta de lixo suspensa, visto que o contrato com a rpestadora havia vencido em Dezembro de 2008, sem ter sido renovado; Dívidas, cheques devolvidos; Uso da conta bancária da Prefeitura pelo Ex-Prefeito, sem que o Banco tenha mudado a conta para o nome e a assinatura do novo Prefeito; dentre tantas outras... É um absurdo enorme, inaceitável. E ainda vemos e ouvimos que vivemos num país democrático em pleno estado de direito. Só se for nas ondas do rádio e nas páginas dos jornais. Na vida a coisa é bem diferente, pelo que se pode observar. Os políticos continuam com atitudes mesquinhas, sem atender qualquer responsabilidade com o bem público e cidadãos. Pior: contam com a falta de ação do Judiciário, que lhes garante "o regalo do mal feito" contra seus desafetos políticos. Quanto ao povo... bem, o povo será lembrado na próxima campanha quando, num passe de mágica tudo será esquecido e novos embates serão travados. E eu que achava que isso tudo já tinha ficado para trás, no Século passado... De que adianta tanta propaganda se os direitos mínimos de qualquer um de nós não é respeitado? Quando teremos - de fato - em exercício um governo que faça sua gestão para o bem público e dos cidadãos? Quando teremos Prefeitos com programas claros sobre as principais linhas de seu governo, e que esta tenha sido a principal razão de sua vitória perante aos demais? Quando teremos eleitores com vocação para cidadãos? Sei não... acho mais fácil galinhas começarem a ter dentes...

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Regime Tributário de Transição - RTT

Diante das alterações legislativas promovidas pela Lei 11.638/07 e mais recentemente pela MP 449/08, tecemos abaixo nossos breves comentários a respeito dos efeitos tributários decorrentes das mudanças promovidas na escrituração contábil das empresas brasileiras.

A MP 449/08 (que aguarda apreciação pelo Congresso Nacional) introduziu o Regime Tributário de Transição - RTT com o objetivo de neutralizar eventuais impactos dos novos métodos e critérios contábeis introduzidos pela Lei 11.638/07, na apuração das bases de cálculo de tributos federais nos anos-calendário de 2008 e 2009, aplicando-se a estes exercícios a legislação contábil vigente em 31 de dezembro de 2007.

O processo de harmonização das normas contábeis nacionais aos padrões internacionais deve se prolongar pelos próximos anos, razão pela qual o RTT deverá ser aplicado no biênio 2008/2009 e, se necessário, nos anos subseqüentes, caso não sejam editadas normas fiscais específicas sobre o tema.

Lembramos que nos anos-calendário 2008 e 2009 o RTT será opcional. Tal opção será manifestada, de forma irretratável e necessariamente para ambos os períodos, na Declaração de Informações Econômico-Fiscais da Pessoa Jurídica 2009.

No caso de apuração do imposto de renda pelo regime do lucro real trimestral nos trimestres já transcorridos do ano-calendário 2008, a eventual diferença entre o valor do imposto devido com base na opção pelo RTT e o valor antes apurado deverá ser recolhida até o último dia útil do mês de janeiro de 2009.

Assim, em resumo, caberá ao contribuinte optar pelo RTT ou considerar em 2008 todos os efeitos tributários decorrentes da Lei 11.638/07 e da MP 449/08. Como mencionamos, a opção será irretratável para o biênio, com efeitos fiscais que poderão produzir reflexos financeiros favoráveis ou desfavoráveis aos contribuintes, o que requererá uma acurada análise da situação fática de cada empresa para fazer prevalecer a melhor alternativa.

Reiteramos que o prazo final para a opção se dará com a entrega da DIPJ/2009, a qual deverá ocorrer como em anos anteriores, ou seja, em 30 de junho de 2009; no entanto, como mencionado acima, tratando-se de apuração trimestral para o ano-calendário 2008, poderá requerer recolhimento adicional de tributos, até o ultimo dia útil do mês de janeiro de 2009.

Desta forma, colocamos à disposição de V.Sas. nossos serviços de "Revisão Especial do Regime Tributário de Transição - RTT" para auxiliá-los nesta importante tomada de decisão. Tais trabalhos contemplam, entre outros, a simulação dos resultados da empresa em ambos os regimes (antes e depois da Lei 11.638/07 e da MP 449/08) e seus correspondentes efeitos tributários.

Retransmitindo informação recebida da Gaia, Silva, Gaede & Associados

domingo, 4 de janeiro de 2009

Somos - ainda - um país do Amanhã?

Afinal de contas o que é ser um país do Amanhã?
Vamos aguardar por quanto tempo para que esse dia chegue?
Acabo de ver um explicação sobre o quanto tempo durará o amanhã. Segundo o personagem o Amanhã será igual a Eternidade mais um Dia!
É preciso que tenhamos uma mudança para fazermos - todos juntos - o rair desse novo dia! Sob pena de vivermos eternamente na esperança de que "algum dia tudo vai mudar. Mudar para melhor..."
Melhor em que?
Está mais do que na hora de começarmos a viver o Agora. O único tempo em que, verdadeiramente, vivermos e temos a chance de mudarmos de frequencia vibratória.
Façamos um esforço para que todos tenhamos a consciência elevada e um novo padrão mental para ordenar as coisas em nossa vida!
Vivamos o eterno Agora!