quarta-feira, 2 de junho de 2010

Livros - Caetano Velozo

Somos um país que - cada vez mais - dá menor atenção à cultura e ao conhecimento de seu povo. O Modelo de Educação adotado no Brazil é um grande propoulsor da ignorância diplomada. Ignorância até com Pós Doutorado...

São esses Doutores, investidos de autoridade e gozando de uma grave cumplicidade com a maioria dos meios de comunicação, que fazem a Estória do "nunca antes nesse país"...

A baixa qualidade de ensino vem aumentando assustadoramente o nível dos riscos operacionais em todos os tipos de atividade. As seguradoras passarão a ter novos parâmetros para avaliar os prêmios a serem pagos nas coberturas mais corriqueiras (sobre esse tema podemos falar durante muito tempo. O risco é muito grande. Para todos nós.)

Já há algumas décadas somos grandes exportadores de empregos para outros países, assim como exportamos mercadorias e produtos, com valores agregados que não fazem nenhuma diferença no preço pago. Essa questão é uma das mais graves distorções que temos na política tribuária brasileira. E que ninguém quer mudar! Claro que há, por trás de tudos isso, muita esperteza e muita ignorância! Infelizmente somos assim! Ao menos a grande maioria é assim...

Dentro em breve estaremos importando trabalhadores de outros países. As pessoas que vivem no Brazil, consideradas nativos, são mantidas totalmente despreparadas. Seus conhecimentos correspondem apenas ao leve verniz colocado sobre o diploma, entregue por uma das várias linhas de "produção de graduados, pós graduados, mestre, doutores e pós doutores". Isso custa barato e o desastre ocorrerá, provavelmente num mandato futuro (que o político de hoje espera que esteja nas mãos da oposição, seja ela quem for).

A música de Caetano, em especial a letra (apresentada ao final), vale a pena ser conhecida e nos levar a uma reflexão.



Tropeçavas nos astros desastrada
Quase não tínhamos livros em casa
E a cidade não tinha livraria
Mas os livros que em nossa vida entraram
São como a radiação de um corpo negro
Apontando pra a expansão do Universo
Porque a frase, o conceito, o enredo, o verso
(E, sem dúvida, sobretudo o verso)
É o que pode lançar mundos no mundo.
Tropeçavas nos astros desastrada
Sem saber que a ventura e a desventura
Dessa estrada que vai do nada ao nada
São livros e o luar contra a cultura.
Os livros são objetos transcendentes
Mas podemos amá-los do amor táctil
Que votamos aos maços de cigarro
Domá-los, cultivá-los em aquários,
Em estantes, gaiolas, em fogueiras
Ou lançá-los pra fora das janelas
(Talvez isso nos livre de lançarmo-nos)
Ou  o que é muito pior  por odiarmo-los
Podemos simplesmente escrever um:
Encher de vãs palavras muitas páginas
E de mais confusão as prateleiras.
Tropeçavas nos astros desastrada
Mas pra mim foste a estrela entre as estrelas.