quarta-feira, 2 de junho de 2010

A carga tributária é de 50%! E todos estão felizes! Isso é maravilhoso!!!

Somos um país de pessoas felizes. Basta saber que - de acordo com a opinião pública estabelecida pela mídia em geral - o brasileiro "gosta de carnaval, cachaça, futebol e mulher pelada". É assim que a imagem é divulgada pelo munda afora...

Estamos ficando um país muito importante. O nosso modelo tributário é elogiado por todos. A Hillary Clinton ficou admirada e fez alguns comentários atribuindo a Carga Tributária o "bom momento em que vive o Brasil"; gerando, em contrapartida, sua comparação à personagem Magda.
Muito provavelmente é por essa razão que o Presidente Lula, esquecendo-se completamente de sua bandeira, brandida durante tantos anos exigindo a Reforma Tributária, no período em que era da oposição, fez um discurso um tanto debochado sobre países que têm carga tributária equivalente a cerca de 20% a 30% da que é praticada no Brasil.

Claro que não entro no aspecto da complexidade que há na forma de apuração, entendimento sobre a quantidade de alíquotas, quando que um tributo incide sobre outro, como fatores de elevado custo aos contribuites em se organizar para informar, elaborar declarações, preencher guias de recolhimento, etc., e que também fazem parte do Custo Brasil.

Nossa complexidade é tamanha que, mesmo atribuíndo grande parte dos serviços e trabalho aos contribuintes, via informações pela Internet, o custo do controle do que é arrecadado ainda é bastante alto. Em 1990 esse custo era equivalente a 30% do montante arrecadado. É isso mesmo que você entendeu. O Governo gastava 30% do total arrecadado em pagamento da estrutura do controle do que era arrecadado. Não é FANTÁSTICO? Atualmente esse custo gira em torno dos 12% a 15%.


A grande questão a ser levantada e discutida com "nossos representantes" é que vivemos num país onde o sistema de arrecadação, selvagem e predatório, produz uma "riqueza" que não retorna ao cidadão. Ele é aplicado com grande generosidade na melhoria de vida de grande parte dos políticos e sua curríola (crescente) de apaníguados.

Nenhum cidadão, seja da classe pobre, média, média superior e, até mesmo, daqueles que quase estão na classe alta, tem qualquer direito, pleno e respeitoso, à segurança, à saúde, à educação, à propriedade, à liberdade, etc. (leiam a Constituição Federal. Ao menos até o atigo 10o).

Acredito que é por isso que vivemos, cada dia mais, próximos de uma Tirania Autocrática. Ninguém mais se lembra - sequer - de ler e conhecer seus direitos e suas obrigaçõesa (repito, vejam a Constituição Brasileira, de 1988, ao menos até o seu 10o Artigo). Não é preciso muito para descobrirmos que vivemos numa grande mentira. E constatamos que a grande maioria, infelizmente, "até gosta de viver nessa ilha da Fantasia".

Em momento de campanha eleitoral vemos candidatos com a cara mais deslavada do mundo falar em "Fazer a Reforma Tributária que o Pais precisa..."

Pelo jeito vamos ter a oportunidade, nesses próximos meses, de vivenciar muitas brigas, palavras ofensivas e muita, muita... muita mentira. Além da baixaria que é natural do povo estrelado...

Claro que o Brasil (e os brasileiros) em época de Copa do Mundo de Futebol encontram nesse momento um excelente fator anestesiador para a sua NORMALMENTE BAIXA disposição de PENSAR. Que pena!