domingo, 28 de junho de 2009

O MODERNO HIP HOP DE ALI BABÁ

Estamos passando por uma fase bastante interessante da história republicana. Até onde perdurará?

O MODERNO HIP HOP DE ALI BABÁ - (ELENITO ELIAS DA COSTA)

Essa estória se passa num país continental localizado em um satélite da Terra, qualquer semelhança com qualquer pessoa, presidente, senador, deputado, país, programas, sociedade, congresso ou qualquer ser é mera coincidência.

Nesse momento atual é salutar que registremos a existência de profissionais que laboriosamente e honestamente trabalha para melhorar a base estrutural da pirâmide social.

A luta é diuturna e sofrega, registrando altos e baixos, mas nada que invalide ou incapacite essa determinação de mudar e fazer dessa nação uma próspera sociedade que possa dormir em berço explendido.

O maior dos obstáculos não deve impedir a necessidade de mudança, mesmo que isso exiga uma assepcia descomunal.

Sabedor da nessidade de governar aquele país, juntou-se com 80 SEmelhantes e mais 380 DEPendentes e sancionou e promulgou a Constituição Federal, que traz em seu bojo todos os artigos necessários para manter a Ordem e Progresso daquela República Federativa.

Obstante a esse fato verificou que o país precisava de melhorias em saúde, educação, infra-estrutura, desenvolvimento social e ambiental, e principalmente desenvolvimento econômico, para dar continuidade e sustentabilidade as MELHORIAS individuais, digo, sociais.

Mas esse país precisava também de uma droga para manter o controle social da população que a chamou de POLITIKAÍNA, substância química letal que sereniza e adocica os consumidores, pois sempre tem os direitos humanos e foro previlegiado para conter os excessos.

Onde se registrasse qualquer perturbação social sempre deveria existir uma mídia atenuadora que a acompanhassem, evitando dissabores ou desequilibrio social que possa influênciar os demais concidadões.

Sentindo que a existência de uma CRISE FINANCEIRA poderia ameaçar a estabilidade economica e social buscou medidas, instrumentos e apaziguadores para atenuar seus efeitos, mesmo suas empresas e população sentindo seus efeitos.

Onde houver um necessitado pobre ou assemelhado o estado o provirá de recursos sociais através de CARTÕES que possam atenuar suas necessidades básicas.

Todos serão assistidos pelo sistema, mas de conformidade com as condições possíveis, apesar de sabermos que é um país rico de recursos naturais e com uma população manipulável, inclusive o setor da mídia moderna.

Alguns atos precisam ter artigos SECRETOS (662), mas com imperceptível diferença do número de artigos da Carta Magna (246), pois esse povo ainda não conheçe sua Constituição Federal, e precisam aprender o que significa CIDADANIA, saber VOTAR, conhecer o Artigo 5º, dessa Constituição Federal.

Realmente é compreensivo que alguns programas, elaborados inteligentemente e oportunamente não tenham alcançado seus objetivos profícuos, sociais e alentadores, mas com o passar do tempo, ou até 2010, esse objetivo será alcançado.

Indescritivelmente devemos registrar a ação benigna de alguns cidadões públicos, mas sabemos que a massa votante é desqualificada para ter o mínimo de entendimento de qualquer ação social eficiente, pois,

Onde se encontrar um cidadão necessitado ali estará os melhores serviços sociais para atendê-lo, evitando reconhecer a ausência de outros serviços tão essenciais e assistencias que possam acorda-lo, mesmo porque um evento mundial esportivo de aproxima e devo continuar com as obras do SAC – Serviço de Aceleração do meu Crescimento.

ELENITO ELIAS DA COSTA

Contador, Auditor, Analista Econômico e Financeiro, Assessor e Consultor de Empresas, Instrutor de Cursos do SEBRAE/CDL/CRC, Professor Universitário, Professor Universitário Avaliador do MEC/INEP do Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis, Consultor do Portal da Classe Contábil, da Revista Netlegis, articulista do Interfisco, do IBRACON – Instituto dos Auditores Independentes do Brasil (Boletim No.320), autor de vários textos científicos registrados no Instituto de Contabilidade do Brasil, autor de artigos publicados na Revista CTOC em Portugal, outor de Livros, sócio da empresa IRMÃOS EMPREENDIMENTOS CONTÁBEIS S/C LTDA.