quarta-feira, 24 de junho de 2009

Opinião ou Omissão - Até quando?

Este ano de 2009 vem sendo marcado por uma série de notícias que demonstram a fragilidade dos poderes que dão esteio à República.
Ora temos escândalos do Executivo, ora do Judiciário. E, o que tem se mantido por mais tempo nas manchetes, os escândalos no Legislativo.
A população age como se fossem simples espectadores. Sem qualquer manifestação ou inquietação...
Ler, ouvir e ver notícias sobre pessoas que ocupam cargos relevantes do poder deveria implicar em manifestação madura, consciente e cidadã da população em geral, ao menos pelos vários setores da sociedade civil organizada. Ao contrário, há um silêncio tenebroso e uma grave omissão.
As pessoas têm preferido discutir - por exemplo - a "situação da fraca democracia do Irã", sem atentar para o momento pelo qual estamos passando.
Ao divulgar este Editorial, mais do que manifestar-me pela concordância ou não com a opinião do jornalista, desejo manifestar minha indignação pela falta de cidadania que poderá nos conduzir a uma situação grave, num curto espaço de tempo.
Acordem... (antes que os dragões nos devorem)
Abaixo o Editorial:

EDITORIAL – JORNAL OPINIÃO CURITIBA

Nem mesmo esfriou o escândalo das passagens aéreas envolvendo Deputados Federais e Senadores e já estamos às voltas com os segredos do Senado Federal, que jogam lama sobre o nome de um ex-presidente da República e atual presidente da Casa, o senador José Sarney. São em torno de 14 escândalos que atingem Sarney e o Senado. Por Lei, qualquer ato ou determinação da esfera pública precisa ser publicado em Diário Oficial, mas descobriu-se que cerca de 300 atos “secretos” da Casa não foram publicados nos últimos 10 anos. São atos administrativos para nomeação de parentes e amigos de senadores, criação de cargos e pagamento de horas extras irregulares. Entre os atos secretos estão, por exemplo, as nomeações de duas sobrinhas e um neto do senador Sarney, para cargos comissionados em gabinetes da filha Roseana (enquanto Senadora) e dos amigos de plenário Delcídio Amaral e Epitácio Cafeteira. Depois, Sarney foi acusado, em matéria da Folha de São Paulo, de emprestar um apartamento funcional que estava em seu nome para o ex-senador Bello Praga, mas, o Senado só permite que parlamentares no exercício pleno do mandato façam uso dos imóveis e, Sarney tem casa em Brasília e não necessita dessa mordomia. Outro escândalo diz respeito ao auxílio-moradia, que é pago para quem não tem residência própria, no valor de R$ 3.800,00, que o nobre senador recebia desde 2008, mas alega não saber dos depósitos. Puxa vida, quanta distração! No caso de seu neto, Sarney alega que a nomeação foi feita à sua revelia. Ó coitado! As coisas acontecem nos grossos e grisalhos bigodes dele, sem que ele perceba. Pergunto como será então, sua administração no Senado Federal? O presidente Luiz Inácio Lula da Silva saiu em defesa do ilustre Senador afirmando que “Sarney tem história para que não seja tratado como uma pessoa comum”, e disse não acreditar nas denúncias recentes sobre as contratações secretas no Senado, alegando que não sabe “a quem interessa enfraquecer o Poder Legislativo”. Bom, está tudo certo, afinal segundo o jornalista Cláudio Humberto, nos últimos dezoito meses os gastos secretos da Presidência da República já atingiram R$ 8,4 milhões. O governo federal proíbe, em nome da segurança nacional, que o contribuinte saiba como todo esse dinheiro foi gasto pelo presidente e seus familiares. Desde sua posse, em 2003, o Presidente Lula realizou gastos “secretos” de R$ 34,4 milhões. Outro absurdo, veio a publico por meio do Jornal Valor, do dia 11 de maio de 2009, que fala da Ata da Assembléia Geral Ordinária da Petrobrás, de 8 de abril de 2009, que estabelece reserva de R$ 8.266.600,00 (oito milhões, duzentos e sessenta e seis mil e seiscentos reais), para o pagamento de 09 conselheiros, entre eles: A Ministra Chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff; o Ministro da Fazenda, Guido Mantega; o Secretário de Comunicação Social, Franklin Martins. Será que eles recebem de mais algum órgão do governo federal? E o empréstimo de 10 bilhões de dólares, que o governo fez para o FMI? Quando da enchente de Santa Catarina, o presidente Lula prometeu ao estado mais de um bilhão de reais, para a reconstrução dos municípios atingidos, mas, a soma enviada foi bem inferior e muita família ainda esta esperando por uma casa. E a falta de escolas públicas, de casas, de equipamentos e leitos nos hospitais, de segurança pública, de alimentos, de remédios? Acho que esse dinheiro seria mais bem usado aqui.

Jornalista Responsável: Maria Isabel M. Ritzmann - MTB 5838 - opiniaocuritiba@gmail.com