terça-feira, 30 de março de 2010

Em tempos de emPACação...

Dilma, a Candidata

É certo de que estamos no Século XXI, ainda que em sua primeira década.

É certo, também, que a democracia, da forma como é praticada está bem longe dos seus objetivos efetivamente democráticos...

Já sabemos que o resultado do chamado PAC 1 não foi alcançado. Chegou, segundo informações oficiais a míseros 40,3%. Ou seja frustrou a todos!

Agora, usando de um poder que vai muito além do razoável, é anunciado mais um sonho... Não há mais a necessidade de alcançarmos qualquer meta do PAC 1. Basta colocar outra adiante e... tudo bem...

Viramos notícia e garantimos a vitória da camarada, ops, Candidata...

Sem dúvida podemos interpretar que além do engôdo, há uma certeza tão grande de continuidade de comando que é praticamente um grande desperdício a realização de uma eleição presidencial.

Cada candidato deve gastar (ao menos em termos oficiais, sem contar os recursos escusos do chamado Caixa 2) algo em torno de R$ 150 milhões. Essa cifra vale para os dois candidatos de ponta.

Se os demais candidatos mais modestos, que participam pelo único objetivo de apresentar ao Mundo a existência de nossa "democracia", tiverem orçamento bem menores ainda assim os gastos deverão exceder a R$ 500 milhões. MEIO BILHÃO DE REAIS!!! Quase 10% do PAC 1 que foi orçado em R$ 638 bilhões. O PAC 2, por sua vez tem um orçamento, até 2011, de R$ 598,9 bilhões.

É muito dinheiro, se analisarmos sob o ponto de vista dos investimentos públicos realizados nos últimos anos. Sob o ponto de vista das necessidades do País é quase justo. As necessidades da população em geral ainda não serão atendidas. Em ambos PAC's as escolhas das áreas de investimento não tiveram uma análise minimamente atenta às necessidades de nosso desenvolvimento.
  • Continuaremos a Exportar Empregos para outros países;
  • Continuaremos a gerar subempregos e miséria por todo o País;
  • A ignorância será cada vez maior. Só que, agora, diplomada e certificada;
  • O Custo Brasil continuará a crescer;
  • A carga tributária continuará a se elevar diante do PIB (cada vez mais insignificante, diante de nosso potencial);
  • O dinheiro público continuará a servir aos desonestos, só que com o aval da justiça e do legislativo;
  • O Big Brother continuará a fazer sucesso. Cada vez maior;
  • As armas e as drogas passarão a ter proteção governamental, especialmente se forem comercializadas pelos "amigos" próximos ao poder;
  • O Estado passará a ser, definitivamente, AUTOCRÁTICO, deixando de lado qualquer bobagem que possa atribuir direito ao cidadão;
  • Aliás, cidadão, passará a ter um novo significado: Escravo que Labuta de Sol a Sol para proporcionar a boa vida aos mesmos políticos que lhes exploram por tanto tempo...
É o sinal da Revolução Bolivariana cada dia mais próxima