segunda-feira, 21 de março de 2011

Acidente nuclear no Japão faz os EUA tremerem

E O VERDEHÁ MUITO TEMPO QUE O HOMEM SE CONSIDERA IGUAL (as vezes até superior) AO PRÓPRIO DEUS QUE ESCOLHEU PARA SUAS ORAÇÕES E DEVOÇÃO.

Há uma certa arrogância, de fato, na raça humana; especialmente nessa que se autodenomina “Civilização Ocidental”, da qual fazemos parte.

O artigo que serve de base para este post está na Revista Digital Envolverde e mostra, claramente, o grande medo que reina no ocidente. Em meu entender esse medo decorre muito mais da insegurança  que todos têm em relação às usinas nucleares instaladas em seus próprios países, do que os fatos que estão, a cada dia, sendo revelados nas fotos e reportagens diárias do que acontece no Japão.

É muito mais relevante para esse esforço midático dedicar-se a falar sobre o problema que ‘está acontecendo no Japão, não revelado pelo governo japonês’, do que tratar dos infinitos dramas que acontecem após cataclismas – especialmente nessa magnitude.

Ninguém fala sobre a alimentação, sobre a água, sobre a condição de reabastecimento, do frio, da chuva… das pessoas…

Qual a razão pela qual essa mídia deixa de nos informar sobre as questões corriqueiras, elementares, aquelas que são – apenas – humanas?

Em vez disso lemos a contabilização da perda estimada em relação ao PIB do Japão; ou da queda na bolsa de valores internacional, por conta dessa tragédia… Ou, ainda, comentando sobre a importância em se repensar a estratégia do “Just-in-time” já que há, em casos semelhantes ocorrer desabastecimento da região, etc. etc.

Não acredito que o desvio do foco da informação seja devido ao pejo de esconder a dor e o medo. Deve ser muito mais por causa da possibilidade de ganhos financeiros que esse tipo de fatalidade proporciona a determinado tipo de especuladores financeiros. Isso é a verdadeira miséria humana, sem dúvida.

Quanto ao Japão e ao povo japonês tenho uma certa serenidade. Fiquei muito tranquilo quando, numa noite dessas, acordei com a palavra “Bushido soando muito forte dentro de minha cabeça. Assim que acordei entendi que, mesmo sendo extremamente grave a situação, a força que o povo japonês sabe tirar de sua filosofia de vida, tão própria e inigualável com outros povos, proporcionará o florescer e a marcha, mesmo que lenta, à recuperação. A vida florescerá na mesma beleza que as cerejeiras irão florir e perfumar todo o Japão, inclusive a agora temida Fukushima. Cada japonês terá a oportunidade de renovar-se praticando o “Hanami” (que significa apreciar a flor), um costume que atravessa gerações…

bushido-2 ”Não tenho vida nem morte, faço do eterno minha vida e minha morte” => ideograma para Bushido e um verso de origem samurai.

Esse será o caminho do gerreiro. Esse o código moral de vida e honra que marca aquele povo…

Ainda que a tal da civilização ocidental, com muito medo e só pensando em dinheiro, “financeirizando” a tragédia ocorrida, não consegue entender.